Este blogue será utilizado na nova Unidade Curricular - Metodologias de Investigação do Programa Doutoral Multimédia em Educação. Os elementos do grupo são: Carlota Lemos,Cláudia Cruz, Isabel Araújo, Luís Pereira e Lurdes Martins.

14
Fev 10

 

Artigo - "Os meninos à volta do computador: a aprendizagem colaborativa na era
digital" de Sandra Amaro et al.             in http://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/1222/1/Os%20meninos%20%C3%A0%20volta%20do%20computador.pdf

 

"Os ambientes colaborativos de aprendizagem apresentam vantagens para os alunos ao nível pessoal e de grupo. Sistematizando, segundo Romanó (2003) ao nível pessoal:

1) aumenta as competências sócias, de interacção e comunicação efectivas; 2) incentiva o desenvolvimento do pensamento crítico e a abertura mental; 3) permite conhecer diferentes temas e adquirir nova informação; 4) reforça a ideia que cada aluno é um professor;
diminui os sentimentos de isolamento e receio da crítica; 5) aumenta a auto-confiança, a auto-estima e a integração no grupo; 6) fortalece o sentimento de solidariedade e respeito mútuo, baseado nos resultados do trabalho em grupo.

Ao nível da dinâmica de grupo a mesma autora defende que ambientes colaborativos de aprendizagem: 1) possibilitam alcançar objectivos qualitativamente mais ricos em conteúdo, na medida em que reúne propostas e soluções de vários grupos de alunos; 2) os grupos estão baseados na interdependência positiva entre os alunos, o que requer que cada um se responsabilize mais pela sua própria aprendizagem e pela aprendizagem dos outros elementos; 3) incentiva os alunos a aprender entre eles, a valorizar os conhecimentos dos outros e a tirar partidos das experiências das aprendizagens individuais; 4) possibilita uma maior aproximação entre alunos e um maior intercâmbio de ideias no grupo fomentado o interesse; 5) transforma a aprendizagem numa actividade social; 6) aumenta a satisfação pelo próprio trabalho.
O tipo de trabalho que a aprendizagem colaborativa permite aos diferentes agentes escolares, proporciona o respeito e a compreensão das diferenças pessoais. A aprendizagem colaborativa pode ocorrer na sala de aula ou em ambiente virtual.
"


Artigo – “Colaboração e comunidades de aprendizagem” de Manuel Meirinhos e  António Osório in http://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/398/1/siie_2006_M_O.pdf

 

Frases chave que esclarecem os conceitos de colaboração e cooperação:

“A colaboração em ambientes virtuais está a tornar-se um fenómeno cada vez mais frequente e pode ser vista como uma estratégia pedagógica, mas também como uma filosofia ou estilo de vida.

 

Existe um conjunto variado de aspectos que distinguem os conceitos de cooperação e colaboração. Apesar das diferenças serem várias, Henri e Lundgren- Cayol utilizam como fundamentais, o controlo e a autonomia, o objectivo a atingir, a tarefa e a interdependência.

(….)De acordo com os autores acima referidos, a actividade colaborativa é antes de mais voluntária, assenta em factores de motivação intrínseca, apela à autonomia e combina processos de trabalho individual e colectivo. A colaboração possui duas forças de impulsão interrelacionadas: o grupo, como agente de apoio individual, e o formando, cujo envolvimento para colaborar repousa no seu interesse em partilhar com o grupo a realização das tarefas.

 

O primeiro aspecto diferenciador relaciona-se com o grau de autonomia dos formandos ou aprendentes e o nível de controlo do formador ou professor. Podemos dizer que na cooperação existe um maior controlo por parte do formador e uma menor autonomia por parte do formando. Sendo assim, nas tarefas colaborativas, é necessária mais autonomia e, consequentemente, maior maturidade cognitiva do que na cooperação.

 

Uma outra característica que distingue os dois conceitos é o objectivo a atingir. A cooperação baseia-se na distribuição de tarefas e responsabilidades pelos elementos do grupo, para atingir determinado objectivo. Na colaboração negoceia-se e orienta-se a interacção visando um objectivo comum, através do consenso. Como refere Harassim, “collaboration or co-laboring means working together to accomplish shared goals; individuals seek outcomes beneficial to themselves and to the other members of the group”.

 

Em relação à realização da tarefa, a cooperação, contrariamente à colaboração, pressupõe uma tarefa distribuída entre os vários elementos do grupo de trabalho. Na cooperação a ênfase recai na realização da tarefa pelo grupo, baseada em subtarefas de cada formando. O trabalho colaborativo não é a soma ou justaposição dos trabalhos individuais, são necessárias uma maior implicação do grupo, estabelecimento de objectivos comuns e coordenação da actividade.

 

A interdependência é um atributo dos dois conceitos. Na cooperação, a interdependência tem de existir, uma vez que a contribuição de uns só está completa com a contribuição dos outros. Existe assim, uma interdependência recíproca necessária à complementaridade da tarefa. Na colaboração, a interdependência requer outro envolvimento relacional, necessário a um apoio mútuo e à criação de uma identidade comum. A colaboração existe num quadro de interacções do grupo, onde se partilham as descobertas e se negoceia o sentido a dar ao trabalho, bem como a validar os novos saberes construídos. Este empreendimento é um empreendimento activo e, para ser conseguido, assenta na autonomia, na responsabilidade, na interdependência positiva e na confiança.”

 

 


Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

16
17

22
26
27

28


subscrever feeds
arquivos
pesquisar
 
blogs SAPO