Este blogue será utilizado na nova Unidade Curricular - Metodologias de Investigação do Programa Doutoral Multimédia em Educação. Os elementos do grupo são: Carlota Lemos,Cláudia Cruz, Isabel Araújo, Luís Pereira e Lurdes Martins.

24
Mar 10










Quivy, R. (2008). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa. Gradiva.


 


Tendo-se como objectivo de investigação responder a um problema, começa-se por formular hipóteses e efectuar observações inerentes a essas hipóteses. De acordo com o método optado temos um conjunto de informações recolhidas.


Fases de análise de informação:


1-      Verificação empírica – verificar se os resultados obtidos correspondem aos resultados esperados pela hipótese.


2-      Interpretação de factos inesperados e rever ou afinar as hipóteses afim de se poderem tirar conclusões.


Geralmente trabalha-se por componentes ou dimensões, e elabora-se, para cada uma delas, uma síntese de informações. Ou seja, trabalha-se as informações para os conceitos. Por vezes, é conveniente construir um índice que sintetize as informações fornecidas (criar uma variável (global), por exemplo).


O objectivo é reagrupar os dados relativos a uma dimensão (ou componente) e descrevê-los por meio de um índice pertinente, ou seja, criar uma variável. Procede-se de igual forma para todas as dimensões (ou componentes) podendo não ser possível calcular o índice global para todas. Calculam-se as percentagens e respectivas conclusões de cada elemento. E através destas sínteses parciais elaboram-se as conclusões. Para tal, recorre-se a testes estatísticos apropriados, por exemplo, para comparar índices existe um teste de comparação de médias, para comparar percentagens tem-se teste das proporções ou teste do quiquadrado.


Contudo podem surgir problemas de análise entre as varáveis e do seu significado, nesta fase devem-se considerar as variáveis-teste (que foram introduzidas na fase de construção, pelas hipótese complementares). Estas variáveis podem modificar a interpretação dos dados.


Operações da análise das informações (dados quantitativos ou qualitativos):


A Análise das informações exige múltiplas operações sendo obrigatórias, sequencialmente de forma sucinta, a preparação dos dados, seguida da análise das relações entre as varáveis, e por fim comparação entre os resultados observados e os resultados esperados em função das hipóteses.


1.       Descrição e preparação dos dados necessários para testar as hipóteses


Esta operação consiste na descrição e agregação dos dados. A descrição passa pela distribuição sintética dos dados com a ajuda de quadros, gráficos e medidas descritivas (média, desvio padrão e mediana) com o objectivo de evidenciar as características da distribuição da variável (por exemplo, normal, exponencial). A agregação de dados ou variáveis consiste em agrupar em subcategorias ou mesmo descrevê-los através de um novo dado. Para descrever uma variável através de uma expressão sintética tem que se ter em conta se a variável é qualitativa nominal (as suas modalidades não se podem ordenar, ou ordinal (as suas modalidades podem se ordenar), se é uma variável quantitativa continua ou discreta. As variáveis qualitativas e quantitativas não são tratadas da mesma forma, deve ter isto em consideração ao elaborar os instrumentos de observação. Para descrever uma variável nominal através de uma expressão sintética (medida descritiva) utilizam-se as percentagens, no caso de uma variável ordinal utiliza-se a mediana, e caso seja umas variável quantitativa utiliza-se qualquer medida descritiva (média, media e percentagens).


Esta operação é particularmente importante se for necessário agregar variáveis para reconstruir um conceitos e exprimi-lo por uma medida sintética.


 2.       Análise das relações entre variáveis


Esta análise consiste em relacionar as variáveis correspondentes aos termos das hipóteses (conceitos, dimensões, indicadores ou atributos). Inicialmente estudam-se as ligações entre as variáveis das hipóteses principais, seguindo-se posteriormente para as hipóteses complementares (que podem ter surgir na fase de construção ou no decurso da análise, como resultado de informação inesperada). Nesta operação devem estar presentes as variáveis-testes (introduzidas pelas hipóteses complementares assegurando que a relação pressuposta pela hipótese principal não é enganadora). Esta operação permite revelar a independência, a associação (correlação) ou ligação lógica que pode existir entre as variáveis ou combinações de variáveis.


 


3.       Comparação dos resultados observados com os resultados esperados a partir das hipóteses


        Na fase da construção para cada hipótese associam-se relações que se julgam correctas e posteriormente deveriam ser confirmadas pela observação e análise de dados. As conclusões tiram-se da comparação entre os resultados esperados a partir da hipótese e os resultados observados que resultam das operações anteriores.


Em caso de divergência entre os resultados esperados e observados, deve-se encontrar a origem da divergência e procurar as diferenças entre a realidade e o que pressuposto à partida, ou mesmo, elaborar novas hipóteses e a partir de uma nova análise os dados confirma-las. Por vezes é preciso completar a observação.





 

Os procedimentos de análise de informação devem ser adaptados em função do modelo de análise escolhido.



Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
27



arquivos
pesquisar
 
blogs SAPO